Resgate de Reservas de Cerrado

» Corredor de Conservação da Biodiversidade Emas-Taquari

Compatibilizar a Conservação e a Agricultura

 O Centro de Liderança Ambiental para Empresas (CELB), a Conservação Internacional (CI-Brasil) e a Oréades Núcleo de Geoprocessamento formaram uma parceria com a Bunge, maior processadora de soja no Brasil.
  
O objetivo propõe envolver os proprietários rurais no desenvolvimento de soluções conjuntas aos desafios da preservação do Cerrado. 
  
 Lançado em 2003, como parte do Programa de Conservação do Cerrado, o projeto piloto Resgate de Reservas do Cerrado abrangeu propriedades rurais numa área de 250.000 hectares ao sul do Parque Nacional das Emas, no estado de Goiás.
  
O Parque vem sofrendo um processo de isolamento geográfico, sendo assim, a recuperação e manutenção das áreas do entorno é de suma importância para a proteção da diversidade biológica do bioma e da própria Unidade de Conservação.

 Criando uma Rede de Reservas Privadas

O projeto Resgate de Reservas do Cerrado apóia os proprietários rurais na regularização das Reservas Legais, conforme estabelece o Código Florestal, buscando formar uma rede de reservas privadas.

A iniciativa agrega valor às atividades produtivas dos proprietários rurais e à conservação da biodiversidade à medida que permite a identificação das áreas de reservas que reduzam o impacto em termos de perda de área produtiva e maximizem o valor biológico, inserindo-as na estratégia maior dos corredores de biodiversidade.

RESULTADOS

 • Formando um Mosaico de Áreas Protegidas.
 • A criação da rede de reservas privadas do Programa de Conservação do Cerrado, desenvolvido pela parceria CI-Bunge-Oréades, envolve os proprietários rurais no planejamento da paisagem e na implementação de corredores biológicos.
• Até junho de 2006, 93 propriedades (que representam 150.000 hectares) foram envolvidas no projeto.
 • O mapeamento completo foi realizado em 52 propriedades, correspondendo a 125.000 hectares, nas quais foram identificados 27.500 hectares que estão em processo de criação de Reservas Legais ou de recuperação de áreas nativas, conforme exige o Código Florestal.
• O Programa também investiu na criação de um viveiro de mudas, em Chapadão do Sul, produzindo 200 mil mudas por ano entre espécies do Cerrado, para restauração de áreas naturais, e de eucalipto, como fonte energética alternativa.

 


 » Corredor de Conservação da Biodiversidade - Uruçuí-Mirador

 Replicando a Experiência

Com o sucesso do projeto piloto executado no Corredor de Biodiversidade Emas-Taquari, CI, Bunge e Oréades decidiram expandir as atividades na região. Os parceiros lançam uma segunda fase do Programa com o projeto Uso Planejado do Cerrado, multiplicando as ações para o Corredor de Biodiversidade Uruçuí-Mirador, localizado  no sul dos estados do Piauí e Maranhão.

Na segunda fase,  além de apoiar os produtores na adequação à legislação ambiental, a parceria busca a integração das iniciativas pública e privada no planejamento regional da paisagem da área do projeto Corredor de Biodiversidade Uruçuí-Mirador.

O projeto contempla ainda a capacitação de recursos humanos locais em gestão e planejamento ambiental, e a criação de um banco de dados gerenciado por um Sistema de Informações Geográficas. Essa base apresentou quais as melhores localizações das reservas para garantir a conexão entre as áreas protegidas, evitando a futura fragmentação. O trabalho nesse segundo Corredor priorizará dois públicos, abrangendo as áreas de chapada e os vales.

Nove grandes proprietários rurais, que somam 99.000 hectares, estão recebendo assistência técnica para criação das Reservas Legais e proteção das Áreas de Preservação Permanente em áreas de chapada. O objetivo é torná-las modelos de exploração agropecuária com responsabilidade sócio-ambiental para a região.

As atividades também beneficiarão moradores dos vales que tradicionalmente utilizam a pecuária extensiva de subsistência nas áreas de cerrado. A aproximação com essas comunidades terá como foco o planejamento do uso da terra e a implementação de melhores práticas que propiciem qualidade de vida e menor impacto ambiental.

 A Oréades trabalha diretamente com os proprietários rurais no mapeamento e análise de suas propriedades, identificando áreas conforme seu valor para a biodiversidade, bem como para a produtividade, a fim de recomendar aquelas mais indicadas para a Reserva Legal.

Além de gerar mapas temáticos e acordar sobre o planejamento da implantação das áreas, a Oréades organiza a documentação técnica necessária à averbação de suas reservas. Nas propriedades que exigem a necessidade de restauração da vegetação nativa, o plano de recuperação de áreas degradadas também é elaborado e implantado pelos proprietários.

 

 

Confira aqui a página do Corredor Uruçui-Mirador.